sexta-feira, julho 13, 2012

Ser ou Parecer, Eis a Questão!

Trata-se de um ramo do conhecimento ainda envolto em bastante controvérsia, mas já com alguns especialistas em Portugal: a ciência da comunicação não verbal. Segundo os teóricos, que se socorrem da psicologia, cinésica e até da etologia, os gestos transmitem inúmeras informações sobre a personalidade e o estado de espírito, e estamos naturalmente treinados, uns mais do que outros, para os interpretar. Ainda mais polémica é a teoria de que os traços do rosto espelham o caráter, mas deixo esse conjunto de códigos para outra ocasião.

A cinésica veio para ficar


Pouco se fala nessa ciência, mas na realidade somos diariamente confrontados com essa técnica através dos meios televisivos. Expostos, denunciados pelo zoom, qualquer olhar, postura, gesto ou tom de voz diz mais sobre o que somos e pensamos do que um elaborado discurso. Pode parecer ficção aos olhos de muitos, vidência para muitos outros, mas é uma temível ciência muito procurada por figuras públicas (normalmente ocupantes de posições mediáticas elevadas). Nenhum disfarce resiste ao escrutínio dos (verdadeiros) especialistas. No fundo, se é possível fazer uma leitura correta desse conjunto de códigos, a sua escrita torna-se então possível. Isto é, entender essa mecânica a partir das fontes naturais permite-nos trabalhar nela de forma artificial, limando, subtraindo ou acrescentando. Porém isso não é assim tão fácil. O resultado fica largamente dependente das capacidades reais do analista tratante e das capacidades de adaptação de quem procura estes serviços. Modificar tendências naturais e/ou controlar impulsos não está ao alcance de todos. O tratamento pode ser extremamente violento e penoso. Quer se trate de um artista, político ou futebolista, existem indivíduos cuja mecânica natural não permite grandes manobras.

Se métodos analíticos rígidos deste género são imprescindíveis em televisão, algumas grandes empresas requisitam igualmente estes 'serviços' por ocasião de contratação. Em certos casos scanear o perfil do candidato pode revelar-se útil. O modo de se apresentar e de caminhar, o olhar ou a forma como a pessoa se senta podem fornecer-nos pistas fiáveis sobre a personalidade do indivíduo e ser um fator chave para determinar quem deve ascender a determinado lugar de responsabilidade. Em alguns casos quem procura emprego e/ou se propõe a determinados cargos não calcula até que ponto a sua candidatura está a ser estudada (nota: quando isso acontece, não adianta adotar falsas posturas, pois em 99% dos casos as análises baseiam-se numa série de astuciosos 'imprevistos' meticulosamente preparados). A gravação em vídeo é frequentemente o meio usado. Nestes casos, as imagens gravadas da entrevista são submetidas à leitura fina e implacável de especialistas. Dotados de umas capacidades extraordinárias de observação, alguns profissionais do audiovisual, apesar de praticantes noutro tipo de exercício, são ocasionalmente procurados para este efeito. Este tipo de análise, apesar de pouco usual em Portugal, tem vindo a levantar inúmeras reações, pondo em causa diversos tópicos como o 'direito à privacidade' e à 'igualdade de oportunidades', entre outros.

Albert MehrabianDe facto, a aplicação das teorias de Sigmund Freud é demasiado complicada para o uso quotidiano, e está a ganhar adeptos esta variante mais simples da psicanálise: o conhecimento dos indivíduos à primeira vista. Conforme assegurado pelo antropólogo Albert Mehrabian, professor da Universidade da Califórnia (Estados Unidos) e perito em técnicas de comunicação não verbal (cinésica) numa conversa frente a frente, apenas sete por cento do impacto da mensagem se deve às palavras. Pelo contrário, 38% corresponde aos matizes empregues, ao tom de voz e a outros sons, e pelo menos 55% resultam apenas de gestos e posturas. No entanto, apesar de haver consciência deste facto, nunca antes a sociedade e o mundo laboral deram tanto valor ao significado dos movimentos e atitudes das pessoas.

Admito o desconforto que essa técnica possa provocar na sociedade, mas a máxima desses profissionais (verdadeiramente habilitados) de comunicação, cinésica e atuação inclusive, pode resumir-se numa simples frase: mostra-me como te mexes ou falas, dir-te-ei quem és. Não será esta uma das principais fontes de trabalho dos atores?! Construir personagens implica sempre uma profunda pesquisa consagrada ao tema. Fora das molduras do entretenimento, é de facto uma ciência incomodativa, mas existe e, quando devidamente acionada, a sua conveniência é inquestionável. Visionarem-nos a alma através dos nossos gestos, impulsos ou reações, propositadamente despertadas, é invadir a mecânica do nosso subconsciente. Para muitos é falar em violação de espírito. Alguns autores, como os norte-americanos Friesen e Sorensen, consideram que o reflexo dos sentimentos básicos, quer dizer, alegria, a raiva, o desprezo, o interesse, a surpresa, a vergonha, o medo, a ira, o asco e a tristeza, é igual em todas as culturas. Enquanto a palavra se emprega para transmitir informação, a forma e a gestualidade servem para expressar atitudes pessoais. Precisamente, a publicação «Os Códigos Dos Cumprimentos» demonstra que a função ritual de simples gestos, neste caso o cumprimento não verbal, serve para manter a textura social. A sua importância cobre praticamente todas as culturas.

Charles Darwin - livrosA interpretação dos traços faciais é um outro exemplo que tem sido objeto de estudo científico desde há muito. Já no século XVIII se desenvolveram métodos para conhecer o significado da aparência externa, e Charles Darwin, na sua obra 'A Expressão e as Emoções no Homem e nos Animais', publicada em 1872, estabeleceu as bases dos estudos modernos das expressões faciais. A verdade é que, no nosso dia a dia, estamos constantemente a estabelecer relações entre os traços do rosto e a personalidade das pessoas com quem contactamos. Quase todos tendemos a forjar uma ideia das pessoas a partir da mera observação do seu retrato, e o mundo do entretenimento serve-se destas associações. No cinema e na televisão, encontramos a cada momento os rostos típicos do herói e do vilão. A aparência dos atores desperta no espectador sentimentos que acabam por se instituir. Mas será o rosto o retrato fiel da nossa alma? Uma das iniciativas mais sérias para procurar o significado preciso dos elementos do rosto foi promovida em 1937 pelo psiquiatra francês Louis Corman. Este investigador decidiu estudar cientificamente o carácter e as aptidões das pessoas através dos traços do rosto. O resultado das suas investigações foi o nascimento da morfopsicologia, uma disciplina que, embora discutida por muitos profissionais, vive atualmente um período de expansão.

E a voz nisto tudo, qual é o seu papel?


Uma das investigações levadas a cabo nesta área pelos psicólogos alemães Peter Borkenau e Anette Liebler traz reflexões mais profundas: a linguagem corporal permite extrair conclusões num grau nada desprezável de verosimilhança sobre alguns aspetos da personalidade das pessoas. Trata-se de uma ciência muito procurada pela classe política. Uma voz poderosa, clara e bem modulada pode transportar a pessoa mais tímida num magnífico orador. Mas sobre isso não vou entrar agora nos detalhes. No post «Dicas Para Melhorar a Voz» são examinados os principais alicerces da voz.